A relação das crianças com as máquinas tem sido foco de estudos nos últimos anos. Os brinquedos inteligentes (smart toys) e robôs companheiros – dotados de Inteligência Artificial e Computação Afetiva- estão sendo desenvolvidos com o objetivo, não somente de entreter e ensinar as crianças, mas de aprender com os seres humanos e de estabelecer uma relação afetiva duradoura com eles.
No artigo “Crescendo com as máquinas inteligentes: as crianças e as novas formas de socialização na Cibersociedade” publicado na II Jornada Ibero-Americana de Pesquisas em Políticas Educacionais e Experiências Interdisciplinares na Educação (Natal- RN) eu investigo o apego emocional desenvolvido entre as crianças e as máquinas inteligentes e as implicações sociais e emocionais deste novo tipo de relação no desenvolvimento das crianças e na sociedade. Este artigo pretende também incentivar a reflexão sobre o uso ético das tecnologias inteligentes voltadas para as crianças.

Imagem: Robô IPal (Avatarmind)