Health and Technology

Os recursos tecnológicos estão evoluindo em um ritmo frenético.

Fica difícil entender para que servem tantos aparelhos digitais com tantas funções tecnológicas.

E no meio desta revolução fica ainda mais difícil perceber onde está o lado humano neste mundo que caminha para uma população de super máquinas e robôs que exercerão os papéis hoje exercidos por pessoas.

Como mostrar para as crianças que a tecnologia pode e deve ser usada em prol de uma sociedade mais afetiva?

Como formar as gerações digitais com a capacidade de aliar o técnico ao humano?

Existe uma tendência em tecnologia que parece ter vindo para ficar e pode ser parte da resposta para estas perguntas.

É a Internet das Coisas que Cuidam (The Internet of Caring Things).

Ela é um desdobramento da Internet das Coisas e consiste em “uma rede de objetos conectados criados com uma missão clara: cuidar ativamente dos consumidores. Da saúde física, do bem estar mental, da proteção, das casas, dos entes queridos, etc.”  (Trendwatching.com)

Com um dia a dia tão atribulado o quê precisamos realmente é de tecnologias que nos ajudem a entrar em contato com nós mesmos e com os outros.

Assim, teremos mais chance de tomarmos decisões adequadas, de ficarmos mais saudáveis, de ajudarmos mais uns aos outros e de vivermos de uma maneira consciente e sustentável.

O recente relatório do site de tendências Trendwatching mostra como a Internet das Coisas que Cuidam pode ter um impacto social importante (em inglês).

Por exemplo, Toymail é uma série de brinquedos que permite aos pais se manterem em contato com seus filhos quando estão viajando através de mensagens de texto e áudio.

Algumas tecnologias vestíveis também cumprem a função de cuidar e tranquilizar as pessoas como o Baby Monitor da Sproutling.

Outro exemplo que vem comovendo milhares de pessoas aqui no Brasil é o ursinho Elo.

O Hospital Amaral Carvalho em Jaú, interior SP, inovou ao criar um ursinho especialmente projetado para as crianças internadas em isolamento por conta de um tratamento oncológico.

Movidos pelas respostas da pergunta feita para as crianças: “Do que você mais sente falta aqui?” uma equipe se reuniu e inventou este brinquedo especial.

Ele une as crianças internadas aos seus familiares e queridos amigos, possibilitando o recebimento de mensagem de áudio e som através do aplicativo WhatsApp.

Ao abraçar ou apertar o brinquedo, a criança tem uma surpresa ao ouvir sair do ursinho as vozes de seus pais, tios, avós e amigos da escola, transmitindo mensagens de apoio e carinho.

É claro que tecnologias como estas não devem substituir o contato humano e não são suficiente para criar um mundo com mais afeto entre as pessoas.

Além disso, questões como privacidade e segurança digital devem ser cuidadosamente pensadas para proteger as inúmeras informações pessoais contidas nestes objetos conectados.

Mas é importante termos consciência deste novo uso da tecnologia para estimularmos as nossas crianças – futuros profissionais- a aliar tecnologia a humanidade.

O vídeo abaixo do ursinho Elo comove e mostra o sucesso de uma iniciativa “tecno-humana”.  Assista até o final.